Emoção em dose dupla

Por Marcos em 15 de agosto de 2016
Para onde ir?

Mais uma bela e agradável aventura, desta vez, em dose dupla. Ouvi falar deste local, mas para não atrapalhar a surpresa não vi fotos, apenas peguei as referências e 3 na estrada…vamos juntos ver o que encontramos lá!

Como já sabem moramos em Mogi Mirim, que fica perto do Circuito das Águas de São Paulo. Estamos até pensando em alguns posts explorando mais esta região, pois é perto de SP e muitas pessoas não conhecem todos os atrativos, mas como disse, isso é assunto para outros posts.

Por hora, apenas passamos pelo portal de Socorro, uma destas cidades que fazem parte do circuito, mas apenas passamos, nosso destino é o Sul de Minas.

Portal Socorro

Pegamos a rodovia SP 147, sentido Bragança Paulista, passamos por fora da cidade de Socorro, na mesma rodovia que agora leva o nome de SP 146, e continuamos até o trevo de acesso à cidade de Pedra Bela. De lá, seguimos rumo à cidade de Munhoz – MG, que é o ponto de partida escolhido para esta nova aventura.

Como disse acima, passamos por Pedra Bela, e ficamos com vontade de ver algo lá… quem sabe…

Passando por Munhoz, nos deparamos com uma cidade alegre e toda enfeitada…

Matriz de Munhoz - MG
Paço Municipal de Munhoz

A decoração é para a festa de Santa Cruz, Nossa Senhora Aparecida e São Benedito, acredito que uma procissão deve acontecer na cidade e terminar na Matriz, com uma grande festa. Tudo muito bonito. A cidade enfeitada em azul e branco.

Munhoz é uma cidade pequena, bem interior, aparentemente tranquila. As paisagens ao redor da cidade são realmente bonitas, muitas montanhas e pedras. Admiramos um pouco toda aquela atmosfera de festa e religiosidade e fomos adiante.

Para se chegar ao nosso destino, Cachoeira dos Luis, pegamos uma estrada vicinal que liga Munhoz ao Distrito de Ponte Segura, mas uns 2 km de asfalto saímos à esquerda e um bom trecho de terra nos aguardava.

Estrada de terra I

A estrada é de chão batido, muito pó. Na chuva, imagino a lama. Não houve dificuldades de encontrar o local, pois há placas indicando o caminho e te deixam na porta. Na verdade, viemos por Munhoz, mas a cidade da atração é Bueno Brandão.

Como já disse, lá é uma propriedade particular, então é cobrada a entrada, uma taxa de R$ 8,00 por pessoa. Na portaria você recebe uma comanda e só acerta sua conta na saída. Você utiliza esta comanda para as atividades que quer fazer e no restaurante.

Na recepção o Mauro, ou Maurão, como quer ser chamado, te recebe muito bem e explica como as coisas funcionam lá, o que está disponível, onde comer, chalés… enfim, te coloca em sintonia com o lugar. Entrando é isto que você já vê:

Entrada
Entrada II

Tudo muito limpo, arrumado e bonito. Você percebe claramente o cuidado com o lugar e o esforço para que você se sinta bem e a vontade.

Aqui em casa gostamos muito de animais, de qualquer um. E, por coincidência, ou atração, sempre estão cruzando nosso caminho. Desta vez, não foi diferente. Um avestruz com um nome pra lá de hermano: ” Chicon ” vem dizer um alô…com ele você perde, ou ganha, claro alguns divertidos momentos. Ele é uma figura! Mas fique esperto, ele bica o que você tiver na mão… rs, se não tiver nada bica a mão. Não dói.

Chicon II
Chicon I

Deixando nosso amigo Chicon descansar, fomos em busca da cachoeira. Cachoeira dos Luis. Sim é ” dos ” mesmo. Conta a história que nos anos mil oitocentos  e tal, um senhor de sobrenome Luis se estabeleceu nesta região, e, por lá, ficou por muitos anos, inclusive seus descendentes. Com isso, o local ficou conhecido como Cachoeira dos Luis, ou seja, da família Luis. mas seguindo…

Para se chegar a cachoeira descemos um leve morro, suave e gramado e claro, bem cuidado.

Caminho

O acesso à cabeceira da cachoeira é fácil, sem trilhas e com um local para tirar fotos e apreciar. Inclusive, com parapeito para proteção. Tudo pensado para segurança do turista.

A primeira parte que vi da cachoeira foi esta abaixo:

Cabeceira II
Cabeceira I

Quando vi fiquei decepcionado, pensei: Caramba viajei tudo isto, peguei quilômetros de estrada de terra, engoli pó para ver esta quedinha? Que engano meu !! O Maurão já havia dito que ao lado do rio tem uma trilha que leva ao pé da cachoeira. Vamos à trilha então…

Como tudo lá a trilha também é muito bem cuidada, tem degraus onde necessário, trilha limpa, com parapeito em locais que oferecem certo risco, enfim a preocupação é evidente. Apesar de muito arrumada a descida é boa, mas quando você chega é demais! Pelo menos para mim foi, não esperava encontrar esta maravilha…

Ou melhor duas maravilhas!!! São duas fantásticas cachoeiras.Uma queda forte formando um véu que encobre toda a encosta, realmente é fantástica… ficar admirando, ouvindo o som das águas descendo, os pássaros.. isso tudo dá uma leveza sem tamanho… é pura paz de espírito. Óbvio que ficamos um bom tempo lá. Fotografamos de todos os ângulos possíveis e o entorno, pois a paisagem ao redor merece a mesma atenção dedicada às cachoeiras.

Descansamos, curtimos ao máximo toda aquela natureza bruta em nossa frente, nos enchemos de boas energias e vibrações positivas e fomos procurar as piscinas que o rio forma mais adiante…

Mais uma trilha… e você continua descendo…

Chegando ao final da trilha você encontra a primeira piscina, que lá é chamada dos alunos, novamente tudo bem cuidado, inclusive, com escada para descer na piscina, um luxo no meio da mata! A segunda piscina, chamada do professor é bem parecida com a primeira. Ambas tem 70 cm de profundidade que é suficiente para um banho, relaxar, apreciar a natureza ao redor, enfim… Na piscina do professor o rio faz uma pequena cascata, que deixa o local mais legal.

Piscina I

Não entrei na água, apenas molhei as mãos e estava bem gelada. No calor deve ser muito bom. Como disse anteriormente o entorno também merece atenção e fotos, pedras árvores, flores… é um desfile de texturas e cores que impressiona…

Apreciamos o local, muitas fotos, mas a fome começou a se fazer presente. Resolvemos subir e comer algo. A subida em uma única puxada é cansativa, mas tranquila, pois a trilha é bem cuidada, mas caaannnssaaa. No topo da trilha tem uma ponte bem legal que passa sobre o rio e é a ligação com um dos pontos de chegada da tirolesa.

Ponte

O local possui um restaurante muito bom, com atendimento nota 10. Pedimos, claro, comida típica mineira completa R$ 60,00, prato para mais de duas pessoas e muito bem servido. Comida deliciosa. Após almoço.. estrada.

Como não era tão tarde voltamos tranquilo e com tempo resolvemos dar uma parada em Pedra Bela – SP, cidade que faz divisa com Munhoz – MG. Quando estávamos indo vimos a igreja no topo, e agora é a chance de visitar.

A estrada de acesso é bem próxima a cidade, tem placas indicando, sem risco de se perder. É uma subida bem íngreme, mas de asfalto bom. Tranquilo trajeto. O portal de entrada do Santuário é bonito e bem arrumado..

Nesta parte do santuário tem o estacionamento e uma boa estrutura de banheiros, restaurantes e um parque bem legal para crianças, mas é lá em cima que fica bom. Prepare o espírito e comece a subir… são 315 degraus até o topo! No meio do caminho um gruta bonita dá incentivo para continuar…

Chegando ao topo a igreja é singela, mas bonita e bem arrumada, é em homenagem a Nossa Senhora Aparecida. Conta a história que um garoto órfão chegou em Pedra Bela oriundo de Bragança Paulista, lá foi acolhido por um senhor que era proprietário de um pequeno sítio na região da pedra. O garoto tinha avistamentos de uma mulher cercada de luzes brilhantes que pedia que fosse erguida uma igreja no topo da montanha em seu louvor, o que foi feito, assim com muito sacrifício para época foi erguida e é a mesma até hoje.

Interior Igreja

No alto da pedra, além da igreja, tem um cruzeiro bem bonito, estrutura de banheiros limpos, a saída da Mega Tirolesa ( 1800 metros de comprimento e chega a 80 km p/ hora de descida ) e uma vista f a n t á s t i c a !!! Não dá vontade de sair…

E, somente para variar, mais uns amiguinhos pelo caminho… um cachorrinho super simpático e com muita sede ! rs   Um casal de seriemas mansas…

Foi realmente um sábado muito bom, conhecemos lugares agradáveis e de baixo custo, mas com o sol se pondo… hora de ir embora e se preparar para uma nova aventura….

Por do Sol

E assim vamos nos despedindo, não sem antes mostrar o show de cores que a Erika capturou…

Muito obrigado por nos acompanhar nesta jornada e até breve… Boa viagem sempre!

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário!
  • Marcos Leandro

    Conhecemos Bueno Brandão em outubro de 2015.
    Passamos por Socorro e pegamos uma estrada vicinal.
    A ideia inicial era ir a um evento de motociclistas, mas esse evento estava tão vazio que fomos atrás das cachoeiras.
    Acabamos parando na Cachoeira dos Felix. Uma trilha bem íngreme que deu trabalho na volta, mas experiência muito boa por ser uma cachoeira com algumas grutas que nos possibilitaram entrar em baixo da queda d’água.

    • Marcos Antonio

      Muito bonita esta cachoeira também. Com certeza iremos visitá-la!!